*#/>belo horizonte 19.Jul

De 1.642 propostas enviadas para o Movimento HotSpot nas 11 categorias, 303 foram selecionadas, sendo 111 provenientes do Sudeste e, entre essas, 31 mineiras. As categorias mais exploradas pelos representantes de Minas Gerais foram Arquitetura, Ilustração e Ideia.

Por isso, Belo Horizonte foi escolhida para encerrar a etapa de Festivais. Nos dias 19 e 20 de julho, os candidatos de São Paulo, Rio de Janeiro, além de Minas, puderam conhecer seus trabalhos visitando a exposição, participarem de rodas de conversa e curtirem shows dos selecionadas da categoria Música e de artistas convidados.

Na sexta-feira, eles se reuniram no  Museu Inamá de Paula, na capital mineira, para trocar experiências, criarem conexões e receberem as boas-vindas da organização.

“ Este é um momento muito empolgante para todos nós”, lembrou Augusto Mariotti, um dos organizadores do MHS. “Temos  dois dias para nos conhecer melhor e levarmos para casa mais informação e contatos. O Movimento não se encerra nos festivais, mas continua como um processo nas sementes que foram plantadas aqui”.

Rogério Makssur Ajub mora no interior mineiro na cidade de Conceição do Rio Verde.  Por lá, ele é conhecido por sua criatividade. Como arquiteto, vive buscando soluções diferentes para seus projetos. No ano passado, estava meio desanimado pois não tinha canais para divulgar tudo o que inventava e suas ideias não saiam do papel. Ao ver uma propaganda na TV do MHS, inscreveu logo quatro projetos. Dois deles,  a “Arena Cultural”, na categoria Arquitetura e “Gabarito de Escada”, na de Ideia foram selecionados para etapa de Festivais. “Quis criar um lugar inspirado na bandeira do Brasil para abrigar eventos culturais”, explica. “Meu outro projeto é facilitar a construção de escadas na construção civil. Quero levar isso adiante e acho que esta é uma oportunidade única”.

Outra chance que os selecionados tiveram durante os festivais foi conhecer e conversar com os curadores. Em Belo Horizonte, três deles participam da rodas de conversa: Waldick Jatobá, de Design; Suzana Barbosa, de Moda e José Flávio Jr, de Música.

“Desde do começo, fui uma entusiasta do projeto”, afirma Suzana. “Para mim, importa muita mais a funcionalidade da roupa do que o conceito em si. Então, estar aqui hoje e ver de perto os trabalhos, conversar com os candidatos, captar para o que veio me deixa mais próxima para tomara decisão certa dos escolhidos para o Tanque de Ideias”.

Depois do coquetel de abertura, todos seguiram para o Granfinos para os shows da noite. Se apresentaram por lá os selecionados Luciano Sprovieri (SP), David Dines (MG) e Multisambofônico (SP). A noite terminou com o show do convidado especial Thiago Pethit que encantou a todos com sua performance e canções de cabaré.

O segundo dia do Festival Movimento HotSpot começou ao som do maracatu. O “Baque de Mina” se reuniu na entrada do Museu Inamá de Paula e seguiu em cortejo rumo a Savassi e a Praça da Liberdade, no Memorial Minas Gerais Vale.

O grupo formado só de mulheres tem apenas sete meses de vida, mas já anda fazendo barulho na capital mineira. No comando, está o musicista Celso Soares Corisco que há 12 anos estuda os ritmos do nordeste entre eles o maracatu de baque virado. “No começo deste ano, tive a ideia de juntar mulheres que tocava percussão e outras que queriam aprender e nasceu o “Baque de Mina”, conta ele. “O toque feminino foi fundamental para o sucesso. Elas são dedicadas, atenciosas, interessadas em aprender e se aprimorar”.

Na Savassi, o batuque se juntou a arte de Léo Pilo em uma grande celebração e da preservação da natureza em torno da intervenção VIrus 880, feita com sacolas de plástico.

A batida do maracatu foi a deixa para que os candidatos seguissem para o Memorial Minas Gerais Vale, na Praça da Liberdade para uma tarde de roda de conversa com os curadores da categoria Design, Moda e Música.

O primeiro a falar foi o colecionador e curador da Galeria Firma Casa, Waldick Jatobá sobre o tema “Design, inovação, imaginação”. Mostrando obras dos Irmãos Campana, Ron Arad, Maarten Bas, Rodrigo Almeida, Léo Capote e da dupla Neute e Chvaicer, quis ressaltar a importância da arte que está por de trás da função de um objeto. “Devemos lembrar que toda a aglutinação, junção, combinação que há nas obras dos Campana, por exemplo, é feita para buscar uma nova forma em peças que possam ser usadas no dia-a-dia”.

Na segunda roda de conversa, a diretora de redação da revista Elle contou o que há “Por dentro da redação” , descrevendo o processo criativo por trás da publicação de um dos títulos mais importantes do mundo.  Mostrou as capas, seções fixas e editoriais que dão o tempero da publicação e falou do malabarismo em colocar as ideias no papel lidando com prazos, agendas, orçamentos, imprevistos. ”Sonhamos com mundo ideal, porém trabalhamos com o mundo real”, afirma. “Com isso temos de lidar com as mais diferentes variáveis incluindo aí até a previsão meteorológica se estivermos fazendo fotos externas”.

Quanto a transição das publicações impressas para o digital, na sua opinião, ainda todos estão atrás da melhor forma de se fazer isso. ”Já temos a versão da Elle para tablet. A primeira fizemos com vídeos, fotos, matérias extras e era de graça. Agora, compramos mas não há conteúdo extra. Estamos testando para saber para onde ir”.

Aliás, o chegada da internet e as suas possibilidades de conhecimento e divulgação mudaram radicalmente a indústria fonográfica tanto na parte dos músicos como na questão do jornalismo musical.  Este foi um dos temas discutidos na roda de conversa: “Remix, até quando?” com a participação José Flavio Junior, crítico de música revista Rolling Stone, além de Suzana e Waldick e com a mediação de Augusto Mariotti, da organização do Movimento HotSpot.

“Com essa mudança de paradigma, não sabemos qual será o futuro da música”, comentou José Flávio Júnior. ”Hoje em dia, qualquer um pode escutar canções de qualquer parte do mundo e escrever sobre elas. Nosso papel está se transformando. Não somos mais aqueles que apresentam as novidades, mas mostramos o lugar onde encontrá-las”.

Para Susana, se deve ter um pouco de cautela com os chamados blogs de moda. “O que é feito ali não é exatamente jornalismo, é outra coisa. Nós que atuamos neste meio há anos temos um olhar, um conhecimento histórico, uma experiência que nos dá um repertório diferente para falarmos sobre moda com muita mais propriedade não importando aqui a plataforma”.

Uma mostra desta criatividade foi  dada pelos dançarinos do Quarteirão do Soul, que se apresentam todo os sábados embaixo do Elevado Santa Teresa. Depois da dança, os candidatos foram para o Granfinos acompanhar os sons dos selecionados, Daniel Limaverde (RJ), Gigi Suleiman (SP), Janaína Fellini (PR) e Dom de Oliveira (SP).

A noite terminou ao som do street jazz da banda Zimun  e a balada com os DJs da Festa Alta Fidelidade.

PROGRAMAÇÃO FESTIVAL MOVIMENTO HOTSPOT EM BELO HORIZONTE

Período: 19 e 20 de julho

- MUSEU INIMÁ DE PAULA

Exposição de criativos do Movimento HotSpot

Local: Rua da Bahia, 1.201 – Centro

Horário: das 18h às 21h (no dia 19/07) e das 10h às 19h (no dia 20/07)

Entrada: Gratuita

- MEMORIAL MINAS GERAIS VALE – PRAÇA DA LIBERDADE

Palestras, encontros e exibição de curtas

Horário: das 14h às 18h (no dia 20/07)

Entrada: Gratuita

20/07 (sábado)

11h – Cortejo com Baque de Minas 25 mulheres farão um cortejo de percussão saindo do Museu Inimá de Paula. O grupo faz parada em frente ao Memorial Minas Gerais Vale (Praça da Liberdade) e finaliza na Praça da Savassi encontrando com intervenção urbana do artista plástico Léo Pilo.

14h (Casa da Ópera) – Design, inovação, imaginação – com Waldick Jatobá

Um relato do cenário das mais recentes criações nacionais e internacionais pelo curador e colecionador Waldick Jatobá.

15h (Auditório) – “Por dentro da redação” – com Susana Barbosa

A diretora executiva da Revista Elle conta o processo criativo por trás da publicação de um dos títulos mais importantes do mundo.

16h30 (Auditório) – Remix, até quando? 

Parece que tanto na moda e no design, no cinema e na música, as inovações de hoje são mashups do que foi criado antes. O que caracteriza o inédito? Temos espaço para criação de algo genuinamente novo?

Mediador: Augusto Mariotti, organização do Movimento HotSpot

Participantes convidados:

- Susana Barbosa, diretora executiva da revista ELLE

- José Flavio Junior, crítico de música revista Rolling Stone

- Waldick Jatobá, colecionador e curador de design

18h – 21h – Movimento HotSpot no Quarteirão do Soul

Local: Elevado Santa Teresa

- GRANFINOS

Shows

Local: Av. Brasil, 326 – Santa Efigênia

Entrada: Gratuita

19/07 (sexta-feira) – A partir das 21h*

- Luciano Sprovieri (SP)

- David Dines (MG)

- Multisambofônico (SP)

Show especial com convidado: Thiago Pethit

20/07 (sábado) – A partir das 21h*

- Daniel Limaverde (RJ)

- Gigi Suleiman (SP)

- Janaína Fellini (PR)

- Dom de Oliveira (SP)

Show especial com Banda Zimun  e Festa Alta Fidelidade

Patrocínio:

Ministério da Cultura
Riachuelo
Vale